top of page
Buscar
  • Foto do escritorbriskloggroup

Quais os impactos da moeda digital DREX no Comércio Exterior?


Divulgada oficialmente em agosto, a moeda digital DREX é um projeto do Banco Central e deve entrar em fase de testes para a população no ano de 2025. A novidade tem levantado a curiosidade de muitas pessoas, principalmente em relação ao seu funcionamento.

Neste artigo, vamos trazer para você as características dessa moeda e destacar quais os impactos dela no Comércio Exterior. Continue a leitura para saber mais!

O que é a moeda digital DREX?

O DREX será a nossa moeda digital (real digital). É importante destacar que o DREX não é uma criptomoeda, mas uma moeda nacional que não sofrerá alterações em seu valor, valendo sempre o mesmo que o real, ou seja, terá paridade de 1 para 1 com o real.

O Banco Central cuidará da regulamentação e do controle da moeda digital brasileira e, para o BC, o DREX deverá integrar tanto dinheiro como ativos financeiros, ações e títulos públicos. Mesmo sendo em versão digital, ele tem capacidade de programação, podendo ser convertido em outras formas de pagamento nas mais diversas transações.

Segundo o BC, a moeda digital DREX pode ajudar a eficiência das instituições financeiras, aumentar a segurança e ainda ser um instrumento de inclusão financeira. Simulações e testes estão sendo feitos pelo Banco Central em parceria com bancos e empresas de ativos digitais e o lançamento dessa novidade está previsto para o fim de 2024 e início de 2025.

A moeda digital é para todos?

A princípio não. Nem pessoas e nem empresas deverão usar o DREX imediatamente, ficando ainda restrito a bancos e instituições financeiras. Porém, é intenção do Banco Central que o sistema de moeda digital seja acessível também às pessoas físicas para acesso aos serviços financeiros.

Quando em pleno uso, empresas e consumidores terão acesso a um token, no entanto, eles estarão protegidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos) e o risco da operação pelo token é da instituição emissora.

Quais impactos do DREX no Comércio Exterior?

Ainda é cedo para avaliar com exatidão os impactos da nova moeda no mercado internacional. Para o coordenador do DREX no Banco Central, as moedas digitais impactam mais as negociações onde algumas moedas, como o real, não são aceitas.

Vale lembrar que operações comerciais sem o uso do dólar já vêm acontecendo entre Brasil e China e também com a Argentina. Em outras operações, onde há moedas não aceitas, o dólar ainda é a opção, mas isso acaba encarecendo as transações.

O que se espera, segundo o coordenador, é que a moeda digital DREX reduza os custos das transações e favoreça a democratização financeira, já que a tecnologia por detrás da moeda digital facilitará a convivência as moedas dentro de uma plataforma, possibilitando uma formação de preço sem a necessidade do uso do dólar, diminuindo assim os custos das operações.

A Brisk Logistics Group está atenta às novas etapas dos testes do DREX e tem acompanhado como, de fato, a moeda digital vai impactar os negócios internacionais. Todas as novidades você pode acompanhar pela nossa página, ficando por dentro dos assuntos relacionados ao Comércio Exterior!


24 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page